Este verme é vulgarmente chamado de árvore de natal devido as suas estruturas em espirais cromaticamente coloridos, a característica mais comum visto por mergulhadores. Na verdade, as espirais multicoloridas são apenas estruturas do sistema respiratório destes animais.

S. giganteus é semelhante à maioria dos tubos de construção de poliquetas. Ela tem um corpo, tubular segmentado forrado com “pêlos”  quitinosos, apêndices pequenos que ajudam a mobilidade do verme. Como ele não se move para fora do seu tubo, este verme não tem nenhum apêndices especializados para o movimento ou a natação.

A característica mais distinta destes vermes são duas “coroas” em forma de árvores de Natal.  Cada espiral é composta de “pernas” como tentáculos, que possuem muitos “cílios” que agarram a presa para serem transportadas para a boca do verme. Estes animais também utilizam seus “tentáculos” para a respiração, portanto, as estruturas são comumente chamadas de “guelras”.

Como um anelídeo, S. giganteus possui um sistema digestivo completo e tem um sistema circulatório fechado bem desenvolvido. Como outros anelídeos, estes vermes possuem um sistemas nervoso central com um cérebro bem desenvolvidos. Quando se reproduzem, eles lançam seus gametas direto para a água, onde os ovos (e espermatozóides) tornam-se parte do zooplâncton a ser transportado pelas correntes.

Vermes árvore de Natal são amplamente distribuídos em todos os oceanos tropicais do mundo.

Spirobranchus giganteus é freqüentemente encontrado com a cabeça inteira embutidas em corais maciços, como os corais duros como corais cérebro. Tal como os membros de sua família, que podem secretar um tubo calcário  em torno de seu corpo. Este tubo serve como casa do verme e proteção. S. giganteus geralmente fura um buraco em um coral vivo antes de secretar seu tubo, aumentando assim o seu nível de proteção.

Como sedentários habitantes dos recifes de corais, vermes árvore de Natal possuem principalmente alimentação por filtro. Eles usam seus cílios brilhantemente coloridos para filtrar microorganismos da água, que são depois depositados diretamente para o trato digestivo do animal.