As baleias jubarte (Megaptera novaeangliae) são grandes mamíferos marinhos da ordem dos cetáceos, vistos em todos os oceanos. É uma espécie predominantemente migratória (hábitos pelágicos), que passa os verões nas águas frias de latitudes mais altas (como o Alasca) e que se reproduz em climas tropicais ou subtropicais, como o arquipélago de Abrolhos no Brasil (acessível a partir de Caravelas na Bahia).

Podem chegar na idade adulta à faixa de 15 a 17 metros de comprimento e peso de 40 toneladas, em dieta composta por krill, copépodes e peixes como o arenque e o salmão. Durante o inverno utilizam a reserva de gordura acumulada no verão.

São famosas por suas acrobacias aquáticas como saltos, golpes com a barbatana na superfície e exibição de nadadeira caudal. E também pelo canto dos machos durante o período de acasalamento, que é motivo de estudo de pesquisadores pela sua complexidade.

A caça às baleias jubarte foi intensa nos séculos XIX e XX, implicando numa drástica redução de suas populações. Apenas ao final dos anos 60 iniciaram-se moratórias e outros projetos para reverter a situação. E mais intesamente a partir dos anos 90 diversos locais passaram a explorar o turismo de observação dos animais, com a posterior inclusão de regras de conduta dos barcos para não perturbar os indivíduos.

Fonte:

http://www.baleiajubarte.org.br/projetoBaleiaJubarte/ e http://pt.wikipedia.org/wiki/Baleia_jubarte

 

Colaboração: Marcos Farah Nagato