Também chamada de Baleia Assassina, a Orca é a única espécie do Orcinus e pertence a Família Delphinidae – mesma dos Golfinhos.

Trata-se de um predador versátil, que alimenta-se de peixes, moluscos, aves, tartarugas, em quando caçam em grupo, são capazes de capturar animais de tamanho maior, como morsas e baleias.

O nome Baleia Assassina provem da tradução direta do inglês “Killer Whale”, porem a comunidade científica passou a utilizar mais freqüentemente o nome “Orca”, que foi rapidamente aceita pela população. Outra razão para essa alteração de nome está relacionado ao adjetivo “assassina” que parece ter implícita a idéia de que seria letal aos seres humanos, até hoje só há registro de um ataque a humano que ocorreu na Malásia em 1928, quando um pescador após ter atacado um bando de 4 orcas que revidaram e o mataram.

Estes animais caracterizam-se por terem o dorso negro e a zona ventral branca. Têm ainda manchas brancas na parte lateral posterior do corpo, bem como acima e atrás dos olhos. Com um corpo pesado e entroncado, têm a maior barbatana dorsal do Reino animal, que pode medir até 1,8 metros de altura (maior e mais ereta nos machos que nas fêmeas). Os machos podem medir até 9,5 metros de comprimento e pesar até 6 toneladas; as fêmeas são menores, chegando aos 8,5 metros e 5 toneladas, respectivamente. As crias nascem com cerca de 180 kg e medem cerca de 2,4 metros de comprimento.

As orcas têm um sistema social de agrupamento matriarcal, consiste numa única fêmea, mais velha, e os seus descendentes. Os filhos e filhas da matriarca fazem parte desta linha, tal como os filhos e filhas destas últimas filhas – contudo, os filhos e filhas de qualquer um dos filhos passarão a viver com a linha matriarcal das suas companheiras de acasalamento) – e assim sucessivamente, ao longo da árvore genealógica destes animais. Como as fêmeas podem viver até cerca de noventa anos, não é raro encontrar quatro ou mesmo cinco gerações de orcas a viver na mesma linha.

Colaboração: Lygia Manchester