A Tartaruga-Oliva é assim chamada devido à cor cinza esverdeada de sua carapaça quando adulta, sendo cinzenta quando jovem. Possui seis ou mais placas laterais e é a menor de todas as tartarugas marinhas – medindo cerca de 60 centímetros e pesando em torno de 65 quilos. Alimenta-se de peixes, moluscos, crustáceos, principalmente camarões, e plantas aquáticas. No Brasil, todo o litoral de Sergipe e a porção norte do litoral da Bahia constituem o mais importante sítio reprodutivo da tartaruga-oliva. Nos anos 80, as desovas eram intensamente predadas pela comunidade local. Atualmente, a captura incidental por artes de pesca, principalmente pelo arrasto de camarão, e a ocupação irregular das praias representam as maiores ameaças à sobrevivência destes quelônios marinhos. É classificada em PERIGO (IUCN e IBAMA) e estima-se que haja cerca de 800.000 fêmeas em idade reprodutiva.

Colaboração: Adriana Tiemi Akamine